quinta-feira, 25 de junho de 2009

Um mês de ti

E com um mês de vida tu…


- O teu umbigo caiu ao 4º dia mas ficou muito perfeitinho
- És uma menina muito curiosa muito atenta a tudo o que te rodeia e a todos os sons
- Dormes pouco durante o dia. Fazes soninhos de 30 minutos no máximo mas felizmente à noite fazes um de cerca de 5h e outro de 3-4 horas
- Continuas a beber maioritariamente leitinho da mãe embora desde a primeira semana que tenho que tirar com a bomba e dar-te com o biberon
- És muito dependente da mãe e durante o dia não podes sentir que eu me ausento do sitio onde estas e começas logo a chorar
- Só aos 24 dias é que foste dormir para a tua caminha, até ai dormias muito juntinho à mãe, mas mesmo assim não foi difícil ficares lá
- Tens muitas cólicas praticamente desde o segundo dia de vida… a mãe bebe cha de funcho, damos-te colimil, agora damos-te gripewater mas parece que nada te faz efeito…
- Tal como a mamã e a maioria dos bebes gostas muito de passear e andar de carro, adormeces logo. Mas tal como mãe, abres o olho logo que o carro pára.
- Tens uma pele muito sensível, com tendência a alergias. Infelizmente tiveste essa herança dos teus pais.
- Todos dizem que tens os olhinhos da mãe e a boquinha do pai (tal como nós sempre desejámos)
- Começas agora a esboçar alguns sorrisos que, segundo a mãe, já começam a ser voluntários
- És muito matreira para ter companhia. Choras a plenos pulmões quando te sentes sozinha e assim que te agarro ao colo paras logo
-adoras mimos e conversa e ficas eléctrica quando te enchemos de beijos
- já estas com 54 cms (mais 4 do que quando nasceste) e 4190 gr (mais 820 do que quando nasceste)

… Enquanto nós…


- Estamos agora a adaptar-nos melhor a ti e a conhecer os teus choros e vontades
- O pai anda exausto com as noites mal dormidas e os dias cheios de trabalho
- A mãe anda a cair de sono, porque ainda não recuperou desde a véspera do teu nascimento
- Adoramos ir passear contigo ao fim de semana quando o pai esta em casa
- Temos muitas vezes que comer “por turnos” porque tu mesmo ao nosso lado não gostas de te sentir sozinha no teu puff
- A mãe já começou a sair de casa contigo porque estava “a dar em doida” fechada em casa
- Estamos muito muito cansados e com umas olheiras até ao chão… mas também muito mais completos, preenchidos e felizes com a tua chegada às nossas vidas!

Agradecemos à nossa querida Ana Laura a felicidade que nos dá em cada momento.

sábado, 20 de junho de 2009

Teste do pezinho

E felizmente o Teste do Pezinho da princesa deu NORMAL!!

sexta-feira, 19 de junho de 2009

Para os tios que estão longe....

Para os tios e para a madrinha que estão na Alemanha verem a nossa menina

com 15 dias...

com 18 dias...
com 20 dias...

É linda não é? Beijocas a todos



A aterragem da Cegonha

A aterragem da cegonha que trazia a nossa encomenda de Paris não foi propriamente fácil… digamos que teve uma “aproximação à pista” complicada…

No domingo dia 24 fui andar a pé como tinha feito todos os dias…mas nesse dia sentia-me mais cansada que o normal…fizemos um percurso mais pequenino e disse ao pai para irmos para casa que chegava por aquele dia.À tarde começaram umas moinhas ritmadas que foram aumentando progressivamente. Mesmo assim consegui dormir até as 4 da manha mas depois dessa hora já era impossível…fiquei pela cama que não queria correr o risco de chegar ao hospital e mandarem-me embora e só as 9h30 é que saímos de casa.

Fomos ate ao hospital nas calmas, cheguei lá, passei pela triagem e quando fui vista pela médica que me fez um daqueles toques fantásticos, chamou logo a enfermeira para me preparar…já cerca de 3 cm de dilatação e ordens para ir buscar a mala!
Estava incrivelmente calma, o que me leva a crer que não tinha bem noção do que se ia passar… parecia tudo muito irreal. Ainda hoje me lembro de estarmos a pensar em ter um bebe e hoje já temos uma menina com 25 dias!!
Enfim, fui dizer ao pai que íamos ficar, buscar a mala e lá fui para a sala de dilatação.

Entretanto o pai veio ter comigo e lá ficamos na conversa, ele a tentar a amenizar as minhas dores e eu a bufar e a pedir uma epidural ainda só com 4cm…eu que dizia que gostava de tentar não levar…esqueçam…as dores são horríveis, eu pedi logo!
MAS, infelizmente, o meu “desejo” iria realizar-se porque a verdade é que não levei 1 nem 2 mas sim 3 epidurais e nenhuma me fez efeito…Por isso durante 9horas agonizei com dores, com uma serie de gente a fazer toques e a tirar medidas, com o rebentarem-me as aguas, com uma enfermeira estúpida, enfim…eu julguei mesmo que não aguentava, sentia que mais uma contracção e de dava qualquer coisinha má…
Perto das 19h começou a vir mais gente do que era suporto para o meu quarto, estavam todos com muita pressa, mandavam-me fazer força e nada…ate o pai mandaram por as mãos na minha barriga e fazer toda a força que tivesse para o bebe descer eu gritava que nem uma desalmada e nada daquilo que tinha aprendido no curso de preparação para o parto me valia de nada, porque ao fim de 9h já não há controlo nenhum de nada e eu fazia força em todo o lado menos onde devia…
Começo a ver a medica a chamar um pediatra e a pedir uma ventosa, a Laura se não saia a bem ia ter de sair a mal…

Nos segundos seguintes eu não sei a ordem do que se passou, se foi a ventosa a entrar, o ser cortada ou a cabeça da minha filha a sair, só sei que foi horrível! Entretanto as 19h09 ouvi-a chorar e passaram-na por cima de mim antes da vestirem…fiquei sem reacção!
Eu e o pai demos as mãos, olhámos um para o outro e sem sair uma palavra foi como se disséssemos: “ já está! Está aqui a nossa menina!”
Eu não tirava os olhos da pediatra a observa-la e da enfermeira a vesti-la enquanto a médica me continuava a mexer e a placenta saía. Quando ma deram para o colo eu sentia-me exausta e estavam a começar a coser-me pelo que só pedi para a darem ao pai que eu não conseguia pegar nela.

Foi maravilhoso ver a perfeição da nossa menina, foi fantástico ter o pai aquele tempo todo ao pé de nós e acho mesmo que sem ele ali eu não teria aguentado.
Foi muito importante partilharmos este momento tão especial, tão nosso…Foram naqueles momentos que concluíram uma “viagem” de 9 meses em que nos tornámos pais. Foi naquele momento que percebemos realmente o que é o amor de pai e mãe, um amor único e incondicional, um sentimento que ultrapassa tudo, que nos faz dar a vida por aquele ser tão nosso, um redefinir de prioridades na nossa vida enfim, um turbilhão de emoções que fazem valer a pena todas as dores por que passei.

Infelizmente o pai teve de sair e ir embora e a minha princesa foi-me posta nos braços. Formam horas só nossas, em que a senti encostada a mim, a primeira vez que mamou, em que olhou para mim…foram momentos que jamais esquecerei e que ai sim, as lágrimas me correram pela cara ao admirar a perfeição daquela que chamo de Filha, a minha filha!